Explosão Solar ameaça a terra 256


Fonte:  alt
altUma poderosa explosão solar de classe M9 deverá castigar a Terra entre terça e quarta-feira e produzirá distúrbios ionosféricos de grande magnitude. Essa é a maior explosão do Sol desde 2005 com potencial para danificar satélites e produzir sobretensões em redes de distribuição elétrica.

A explosão ocorreu no hemisfério norte do Sol às 03:59 UTC (01h59 BRT) de segunda-feira, dia 22, quatro dias depois que uma explosão na estrela produziu uma forte ejeção de massa coronal que atingiu a Terra no dia 22, provocando instabilidades geomagnéticas de média intensidade. Esta explosão fez Índice KP, que mede a instabilidade ionosférica chegar ao nível 5. Com a nova explosão o KP deve chegar ao nível 8 ou 9 nas próximas 48 horas.
De acordo com informações recebidas do Centro de Previsão de Clima Espacial dos EUA, SWPC, as partículas solares deverão atingir a alta atmosfera terrestre já a partir das 12h00 BRT de terça-feira.
Para cobrir os 149 milhões de km que separam a terra do Sol as partículas estão viajando a 4 milhões de km/h. O choque com a ionosfera será intenso e produzirá auroras boreais que poderão ser vistas até mesmo nas latitudes norte próximas de 45 graus, onde se localiza grande parte da Europa e norte dos EUA. Países localizados acima dessa latitude presenciarão as auroras com maior intensidade.
Além das auroras, a tempestade atual poderá causar reboots isolados em computadores a bordo dos satélites, interferir nas comunicações através de rádio nas faixas de baixa frequência e induzir descargas elétricas em linhas de transmissão, com possibilidade de blecautes parciais em cidades do hemisfério norte.
Partículas Carregadas
Após uma explosão solar ocorre a chamada “ejeção de massa coronal”, uma gigantesca quantidade de gás ionizado que é emanado do Sol a velocidades altíssimas que superam facilmente a marca de 1 milhão de km/h.
Quando essa ejeção de partículas vem na direção da Terra, são bloqueadas e desviadas pelo campo magnético natural do planeta que as conduz na direção dos polos. O choque produz as chamadas tempestades geomagnéticas, com os inúmeros efeitos já descritos.
Consequências
Como vimos, a primeira consequência é a possibilidade de auroras boreais nas latitudes mais elevadas, provocadas pela ionização dos átomos de nitrogênio e oxigênio na atmosfera superior. Excitado, o nitrogênio emite fótons no comprimento de luz verde enquanto o oxigênio emite luz no espectro do vermelho.
Com relação às telecomunicações, as principais interferências ocorrem nos comprimentos de onda de frequências muito baixas – VLF – onde operam equipamentos de navegação e orientação de barcos e aeronaves. No entanto, devido à redundância de instrumentos utilizados para orientação e o uso de sistemas inerciais de orientação, esse seguimento é pouco afetado por tempestades solares.
Embarcações que utilizam exclusivamente GPS para orientação poderão também perceber pequenos erros de posicionamento. O motivo é que esses instrumentos baseiam-se no tempo que as ondas eletromagnéticas chegam até o receptor. Durante as tempestades geomagnéticas a ionosfera terrestre se torna mais densa no comprimento de onda utilizado pelo sistema GPS, retardando em alguns microssegundos a recepção dos sinais. No entanto, modelos computacionais conhecidos como Ionosferic Delay permitem aos operadores do sistema levar em conta esse atraso, introduzindo correções para que o erro seja minimizado.
Tempestades solares intensas também são responsáveis por danificar equipamentos a bordo de satélites e aumentar o arrasto deles na atmosfera, tornando frequente a necessidade de reposicionamento para que seja mantida a órbita programada.
O setor elétrico também sofre com as perturbações do Sol, que geram correntes elétricas induzidas nas linhas de transmissão. Dependendo da intensidade da tempestade e da região do planeta, as correntes induzidas podem danificar transformadores e em casos mais graves até mesmo explodir equipamentos, principalmente se localizados nas latitudes elevadas. (Fonte: Apolo11.com – Todos os direitos reservados )


bibliografias:
Urandir - Urandir site Urandir
Urandir Ufologia Urandir
Urandir web archive - Urandir web link Urandir | Projeto Portal | Urandir Oliveira | Urandir Fernandes de Oliveira